Páginas

11 fevereiro 2014

Um Remédio Para Ansiedade

 

¨Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós¨

I Pe 5:7

 
   A ansiedade é o mal do nosso século, ela ataca os idosos, os adultos em plena capacidade física e até os adolescentes. Mas, o que é ansiedade? A ansiedade é uma sensação, um sentimento de angústia, de preocupação que vem acompanhado de uma ou mais alterações físicas como coração acelerado, dores no estômago, na cabeça e até mesmo no intestino.
   Há três níveis de ansiedade: a considerada normal, que nasce de um perigo normal, concreto que ameaça a pessoa.
   Tenho visto na televisão, depoimentos de pessoas que moram em casas cheias de rachaduras ameaçando desabar a qualquer momento; seus habitantes vivem em constante ansiedade.
   Ou, alguém faz um estágio dependendo do resultado se vai ser contratado ou dispensado, esse tipo de ansiedade pode até mesmo ser um estímulo.
   Há também a ansiedade neurótica nesse caso em vez de motivar, paralisa o indivíduo e o impossibilita de realizar tarefas extremamente simples. É uma ansiedade desproporcional à ameaça, é ver o bicho maior do que ele é.
   Mas há também a ansiedade crônica, que é aquela angústia sistemática, constante. Por exemplo, o desempregado preocupa-se em pagar as contas da casa, em conseguir um novo emprego, o que será dele no futuro..., vários fatores podem provocar a ansiedade, uma doença cujo diagnóstico é desconhecido, mudança do ambiente tradicional da pessoa, insegurança, indecisão, conflito de interesses.
 
   E no campo da religião? Será que Deus vai me perdoar? Será que perdi a salvação?
   A ansiedade na vida do crente trás consigo muitos prejuízos, leva a falta de interesse pela leitura da Bíblia, pela oração, às vezes até mesmo o afastamento da igreja.
   A ansiedade é um grande mau, um sério problema na vida de qualquer pessoa! Porque a ansiedade não permite que enxerguemos as maravilhas e as grandezas do nosso Deus... Vejamos a resposta Bíblica para ansiedade. Leia Mateus 6:25-34, o Senhor Jesus diz: "não andeis ansiosos quanto a vossa vida, pelo que haveis de comer ou pelo que haveis de beber, nem quanto ao vosso corpo, pelo que haveis de vestir, não é a vida mais do que o mantimento e o corpo mais do que as vestes?"
   Esse texto nos mostra que a ansiedade é inútil (vers. 27) ela é desnecessária, (vers. 26,28 e 29)
 
   "Olhai para aves do céu, que nem semeiam, nem segam, nem ajunta em celeiros e vosso Pai celestial as alimenta. Não tendes vós muito mais valor do que ela?" "olhai para os lírios do campo, como eles crescem; não trabalham nem fiam." "Se Deus assim veste a erva do campo, não vos vestirá, muito mais a vós, homens de pouca fé."
 
   Você precisa de um par de sapatos e de um vestido, o problema causador da ansiedade está na marca do sapato e na griff do vestido.
   Quando você estiver ansioso olhe em sua volta e contemple os pássaros e as flores.
 
 
Pr. José Vasconcelos


 



30 dezembro 2013

Feliz Ano Novo!!!





"Coroas o ano da tua bondade..."
Slamo 65:11
 
Davi agradece e louva a Deus neste salmo, por sua bondade demonstrada nas muitas bênçãos que lhe dispensou no transcorrer do ano, cujo término está contemplando com gratidão. Davi dá graças a Deus pelas bênçãos recebidas. E, olhando para o ano que surgia a sua frente disse: "Coroas o ano da tua bondade"
 
O ato de coroar nos faz lembrar uma série de coroações antigas. A coroação dos heróis, quer nos jogos atléticos, quer nas batalhas, em grandes feitos de armas, caso em que recebiam para cingir a fronte "a coroa da vitória" , constituída de folhas de louro entrelaçadas, naturais ou metálicas. O apóstolo Paulo falou da coroação. "E se alguém milita não é coroado se não militar legitimamente" (2Tm 2:5). "Desde agora a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia..."(2Tm 4:8). Assim, vemos que o ato de coroar tão comum nos povos da antiguidade é na Bíblia muitas vezes personificadas para indicar figuradamente uma realidade espiritual. Paulo fala da "coroa da justiça", Tiago fala da "coroa da vida"(Tg 1:12).
 
O apóstolo Pedro fala da "imperecível coroa da glória" (1Pe 5:4) e, finalmente, a coroação de Jesus glorificado. Hebreus 2:9 nos diz: " vemos, porém, coroada de glória e de honra aquele Jesus que fora feito um pouco menor do que os anjos...".
 
O término de cada ano é como um marco na prolongada estrada da vida. Cada ano é um ponto de referência entre o passado e o presente, entre o presente e o futuro.
 
Pense seriamente sobre a sua vida espiritual nesse novo ano. De onde vim? Para onde vou? E obtenha a resposta as todas essas indagações lendo, e meditando na palavra de Deus.
 
Reflitamos sobre o que fizemos no ano que passou, ponderemos bem na balança da vida qual a concha que subiu e a que desceu. Quem sabe a concha da negligência, do descaso, da amargura, do ressentimento tenha sido mais pesada neste ano que acaba de findar.
 
Um ano novo começou; novas oportunidades estarão diante de todos. Oportunidades de colocarmos na concha o desejo de uma vida santificada, de serviço a causa do mestre, de piedade cristã, de desapego as coisas materiais, para que, ao fim de 2013, se for da vontade do Senhor chegarmos lá.
 
Chegarmos com alegria do dever cumprido, com a consciência pura, iluminada pelo Senhor.
 
Quem de nós chegará ao término de 2013? Será que daqui a um ano estaremos juntos?
 
Bem, se estamos no Senhor, estaremos seguros quer vejamos o raia de 2014 ou não, pois a Palavra nos diz:"...não temos aqui cidade permanente, mas vamos buscando a futura" Heb. 13:14
 
Oremos ao Senhor como o salmista Davi o fez: "Coroas o ano da tua bondade". Sim, Senhor, que a tua graça e misericórdia estejam sobre mim e sobre todos os nossos leitores, sobre o teu povo na face da terra. Visita ó Pai aos enfermos, os que estão hospitalizados, àqueles que não poderão estar com os seus, faze-lhes sentir a Tua presença para que a verdadeira alegria se manifeste neles.
 
Que o Senhor continue nos abençoando em todo o ano 2014!
 
Feliz Ano Novo para todos com Jesus Cristo na direção!!!
 
 
Pr. José Vasconcelos
 


24 dezembro 2013

Recordando o Nascimento de Jesus

Recordar  e   comemorar  o  nascimento de Jesus, é um ato que está ligado intimamente ao caráter do cristão. Verdade é que todos os dias temos o dever e até a necessidade de, lendo um capítulo só que seja do evangelho, recordamos o nascimento, as obras, as maravilhas, a doutrina, a morte, a ressurreição e ascensão do nosso querido Salvador; e ver em tudo isso o seu amor divino e a sua grande misericórdia.
Diz-nos o evangelista Lucas que, naqueles tempos, ordenou Augusto, imperador romano, que se fizesse o senso ou alistamento, de todos os seus súditos.
A águia romana queria, no seu  orgulho,  ufanar-se   mostrando ao mundo o poder das suas armas e a vitória por elas alcançadas, sobre tantas nações que então gemiam sob o seu jugo.
Uma delas era a Judeia. Pátria dos santos patriarcas, mãe de tantos inspirados profetas, e que dera o berço a um Samuel, a  um  Davi,  a   um  Salomão, que assombrara os reinos da terra com a magnificência do seu reinado.
Agora, a Judeia tinha de sujeitar-se como conquistada, às ordens do imperador romano e todos os seus súditos se encaminhavam para a capital, Belém, a fim de cumprirem com o decreto real.
Para muitos, especialmente os pobres, velhos e doentes, era esta uma peregrinação penosa. E, entre esses peregrinos, lá iam a Pátria do rei Davi; José o carpinteiro e Maria. A jovem pobre, a virgem de Nazaré.
Maria estava grávida, esperava em breve dar à luz, o fruto concebido em seu ventre por obra e graça do Espírito Santo, conforme lhe anunciara o anjo Gabriel. (Lucas 1:30)
A gravidez não lhe permitia fazer a jornada com tanta rapidez como os demais que iam a Belém.
José, esposo dedicado e justo, acompanhava-a, esperando o momento em que se cumprissem as palavras que ouvira da boca de um anjo do Senhor. “não temas receber a Maria por tua mulher, porque o que dela se gerou é obra do Espírito Santo”.
Chegaram em Belém, não encontraram pousada. As hospedarias estavam lotadas de forasteiros. Era noite, uma dessas noites lindas, estreladas e serenas, bem que eles poderiam passá-la ao relento ao ar livre; mas, o estado melindroso de Maria não permitia tal coisa.
Era necessário procurar um abrigo para passar a noite e o único lugar encontrado foi uma manjedoura, pousada humilde, junto dos animais que descansavam ao pé da cocheira.
Ali se abrigaram José e Maria. Alta noite, a virgem mãe deu à luz ao divino filho, e não havendo outro aposento, outro berço, ali mesmo foi recostado o filho de Deus, o Criador Supremo do universo, o Salvador do mundo.
Deitado numa manjedoura, tendo como berço umas poucas palhas e umas pobres roupas, ali derramou suas primeiras lágrimas aquele que veio enxugar as nossas.
Oh! Que misericórdia imensa. Quando te dignastes Senhor baixar e sofrer por amor de nós pecadores. Sim, prezados irmãos, somos indignos de tão grande amor, mas olhemos para o evangelho de Jesus e vejamos o que ele nos diz, “hoje, vos nasceu o Salvador que é Cristo, o Senhor”.


Pr. José Vasconcelos

16 dezembro 2013

A Boa Vondade de Deus em Cristo Jesus


“E, subitamente, apareceu com o anjo uma multidão da milícia celestial, louvando a Deus e dizendo: Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens, a quem ele quer bem.”
Lucas 2: 13 e 14


Quando  vemos  o  Salvador envolto  em  panos e deitado numa manjedoura, somos tentados a pensar, será que este é o Filho de Deus?
Mas, quando vemos que o seu nascimento é celebrado com louvores de um exército celestial, então, podemos ter a certeza que este não pode ser outro senão o Filho de Deus.
Vejamos em que se ocupavam os pastores, viviam no campo guardando durante as vigílias da noite o seu rebanho. Os anjos não foram enviados aos principais sacerdotes, nem aos anciãos do povo, e sim, a um grupo de humildes pastores.
As notícias do nascimento de Cristo não lhes foram dadas enquanto dormiam e sim, quando estavam no campo vigiando os rebanhos. Estavam bem acordados e podiam estar seguros do que viam e ouviam. Eles não estavam meditando, não estavam orando, estavam sim, vigiando, cumprindo  com  seu ofício.
Amados Irmãos, Deus não só nos fala quando estamos lendo a Palavra ou orando, Ele também nos fala quando estamos cumprindo o nosso dever. Não estamos fora da presença de Deus um minuto sequer.
Estavam vigiando o rebanho quando aconteceu algo extraordinário, a glória do Senhor os cercou com grande resplendor, o anjo do Senhor veio sobre eles com a maior de todas as mensagens “nasceu o Salvador, que é Cristo o Senhor”.
Grande foi a surpresa, Lucas diz: “tiveram grande temor”. Não esperavam tal coisa, foi tudo tão repentino, tão extraordinário. Diante do resplendor da glória do Senhor, a noite se iluminou.
Deus tem visitado o seu povo, estamos nós atentos, preparados para recebermos estas visitas? Se estamos bem preparados, vigilantes, veremos como muitas vezes, na noite das nossas dúvidas e perplexidades se converte de repente por inspiração e toques amorosos da Graça Divina, em dia cheio de luz e de gozo. Não há noite quando Deus está presente.
Qual a mensagem transmitida pelo anjo? Não foi uma mensagem de ira, mas de misericórdia.. “eis que trago boas notícias, de grande gozo que será para todo o povo, nasceu o Salvador que é Cristo o Senhor”.
Cristo, o Senhor, vos nasceu hoje. Nasceu no lugar em que estava profetizado que nasceria na cidade de Davi. Nasceu para evangelizar os pobres de espírito, nasceu para salvar o homem das penas do inferno, pelo que é motivo de grande gozo para todo o povo, pois em nenhum  outro  há  salvação, porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos. Atos 4: 12.
Que noite maravilhosa aquela em que Cristo nasceu. Os anjos louvaram a Deus dizendo: “Glória a Deus nas alturas”. Glorificavam a Deus e felicitavam os homens, paz na terra, boa vontade para com os homens.
Notemos esta expressão: “Boa vontade para com os homens”.
Alguns tem interpretado erroneamente esta expressão e dizem: “Boa vontade entre os homens”  ou  “Homens de boa vontade”.   Na verdade, lemos em Romanos 3:9-23, que Deus não encontrou nenhum homem desta classe, “como está escrito, não há um justo, nem sequer um, não há ninguém que entenda, não há ninguém que busque a Deus...” O Senhor Jesus disse: “Eu não vim chamar os justos, e sim a pecadores, os sãos não precisam de médicos e sim os doentes. Eu  vim buscar e salvar o que se havia perdido”.
Diante disto concluímos que todos os bens que desfrutamos depende da boa vontade de Deus para conosco. Se estamos em paz com Deus tudo o mais irá bem.
Deus se manifestou a nós através do Senhor Jesus Cristo, bendita vontade de Deus, paz na terra, Cristo disse: “Deixo-vos a paz a minha paz vos dou”.
Amados irmãos que a paz do Senhor Jesus Cristo esteja como todos vós neste Natal e todos os dias. Que o Senhor vos abençoe. Amém!
 
 
Pr. José Vasconcelos Silva Filho
 

09 dezembro 2013

O Dia da Bílbia

 
 
 
 
"Lâmpada para os meus pés é a tua palavra, e luz para o meu caminho"
Sl 119:105
 
 
O dia da Bíblia surgiu em 1549, na Grã-Bretanha, quando o Bispo Cranmer, incluiu no livro de orações do Rei Eduardo VI um dia especial para que a população intercedesse em favor da leitura do Livro Sagrado.
 
A data escolhida foi o segundo domingo do Advento (o Advento é celebrado nos quatro domingos que antecedem o natal). Foi assim que o segundo domingo de dezembro tornou-se o Dia da Bíblia.
 
No Brasil, o Dia da Bíblia passou a ser celebrado em 1850, com a chegada, da Europa e dos Estados Unidos, dos primeiros missionários evangélicos que aqui vieram semear a Palavra de Deus.
 
Durante o período do Império, a liberdade religiosa aos cultos protestantes era muito restrita, o que impedia que se manifestassem publicamente. Por volta de 1880, esta situação foi se modificando e o movimento evangélico, juntamente com o Dia da Bíblia, se popularizando.
 
Pouco a pouco, as diversas denominações evangélicas institucionalizaram a tradição do Dia da Bíblia, que ganhou ainda mais força com a fundação da Sociedade Bíblica do Brasil, em junho de 1948.
 
Hoje, o dia dedicado às Escrituras Sagradas é comemorado em cerca de 60 países, sendo que em alguns, a data é celebrada no segundo Domingo de setembro, numa referência ao trabalho do tradutor Jerônimo, na Vulgata, conhecida tradução da Bíblia para o latim.
 
A Bíblia que temos hoje no Brasil ela foi Traduzida pelo Pastor Português João Ferreira de Almeida que Nasceu por volta de 1628, em Torre de Tavares, Portugal, e morreu em 1691, na cidade de Batávia (atual ilha de Java, Indonésia). Ele traduziu a Bíblia para a língua portuguesa que só foi concluída alguns anos mais tarde em 1753.
 
As comemorações do segundo domingo de dezembro mobilizam, todos os anos, milhões de cristãos em todo país.
 
Desde dezembro de 2001, essa comemoração tão especial passou a integrar o calendário oficial do país, graças à Lei Federal 10.335, que instituiu a celebração do Dia da Bíblia em todo território nacional.
 
Algumas citações sobre a Bíblia:
 
"O crente negligente na leitura da Bíblia, também o será na sua vida cristã" Max Reuch.
 
"Uma Bíblia nas mãos é melhor que duas nas prateleiras" Paul Holdcraft.
 
"Satanás não tem medo de Bíblias empoeiradas" Geikie Cowper.
 
"É impossível governas o mundo retamente sem Deus e a Bíblia" Geoge Washinton.
 
"Um homem não pode ser considerado educado, se não conhecer as verdades fundamentais da Bíblia"  Eleonor Doan.
 
"Deixe a Bíblia encher a sua mente, orientar o seu coração e guiar os seus passos". Henrietta C. Mears
 
"Os leitores assíduos da Bíblia são crentes em crescimento; quando os cristãos deixam de ler o santo livro, cessa também o seu crescimento espiritual". Daniel Webster
 
Edgard C. Watts, da Califórnia (EUA), com 84 anos de idade, já havia lido a Bíblia 161 vezes, aduzindo-se a circunstância de que tinha apenas um olho" Eleonor Doan.
 
"Muitos livros foram publicados para nossa informação. A Bíblia, contudo, nos foi concedida para nossa transformação" Will Hougnton.
 
"É uma espécie de impiedade não ler aquilo que por nós e para nós escreveu a mão do próprio Deus. Que ninguém incorra nesta falta, tendo ao seu alcance a leitura da santa Bíblia" Agostinho
 
 
Fonte: Sociedade Bíblica do Brasil e outros
 
Pr. José Vasconcelos

 

 


04 dezembro 2013

A Verdadeira Religião


 “Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina: persevera nestas coisas, porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem”

1 Tm 4.16




É comum ouvirmos alguns evangélicos dizerem: “os homens atualmente estão buscando mais diretamente as brigas doutrinárias do que a anunciação da salvação em Cristo Jesus."
Dizem: deixemos as questões doutrinárias de lado e partamos para a evangelização, pois é o mais importante; não queremos tirar os méritos evangelísticos de muitos irmãos que estão empenhados em ganhar almas para Jesus, enfim, estes têm feito um grande trabalho no rei de Deus, porém, queremos lembrar aos indecisos quanto à doutrina, que não adianta projetar a planta de um grande edifício, com a maior beleza possível, sem que se pense primeiramente em seus alicerces, verificando-se se os mesmos são suficientemente fortes para suportar o peso a eles destinados.
Apresentamos hoje ao mundo, o Cristo vivo, poderoso, maravilhoso. Se não cuidarmos dos alicerces doutrinários que sustentam o verdadeiro cristianismo, como então se garantirá o progresso do crente em Cristo?
Ao entrarmos num alto edifício, o que primeiramente procuramos são os elevadores que nos levarão do primeiro ao último andar.
Mas o que seria do nosso objetivo em subir a algum andar do referido prédio, se os elevadores não tivessem o ponto de apoio necessário para realizar a ascensão gradativa aos andares por nós desejados?
Diz a Bíblia que a nossa santificação é progressiva, ontem éramos bebês em Cristo, como disse Paulo, não podemos receber ainda o alimento sólido, estávamos no primeiro andar do edifício que é Cristo. Hoje, porém, graças aos ensinamentos sãos, às doutrinas fundamentalistas que Cristo nos legou, estamos em contínua ascensão. Quanto mais nos fortalecemos na fé e na decisão doutrinária, mais ainda subimos no grande edifício da santificação.
Muitos estão sendo convertidos, mas não estão recebendo a sã doutrina. Estão no andar térreo do edifício, não lhes estão sendo indicados os elevadores seguros, para a ascensão que lhes será a santificação.
Qualquer um dos elevadores serve – dizem alguns pregadores. Todos eles sobem – (todas as religiões nos levam a Deus), acrescentam.
Enfim, quantas discussões, quantos problemas levantados por causa da religião. Alguém disse que a religião é tão misteriosa como “a vaca preta que come capim verde e dá leite branco e manteiga amarela – através de seu sangue que é vermelho”.
Nos meios evangélicos, geralmente faltam-lhes a definição exata do que é religião.
Segundo Langston, “ a religião é a vida do homem nas suas relações, isto é, a vida do homem em relação a Deus que o criou...”
Há muitas religiões, milhares – e, dente elas, existem as falsas e a verdadeira. Tiago fala da religião pura e imaculada. Notem que ele não cita as religiões puras e imaculadas, mas se reporta a apenas uma; pois ela é única. Qual então? Você pergunta.
O cristianismo difere de todas as demais religiões; e seu conteúdo foi revelado por Deus, sendo uma expressão externa por parte dos crentes, não na tentativa de obterem salvação, mas antes, para através dela, expressarem seu profundo agradecimento.
Religião é vida, é religação com Deus e só há um meio para o homem religar-se com o Senhor todo poderoso, através de Jesus Cristo. O evangelho, no entanto, orienta e define a religião. O apóstolo Paulo dizia “Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê...” Rm 1: 16
Se você está procurando uma religião para se salvar, você está no caminho errado, na procura errada.
Busque a Cristo, decida-se por ele, siga-o. Fazendo assim, você poderá dizer que está dentro da verdadeira religião, pois, a religião verdadeira é aquela que leva o homem a ser grato a Deus pela salvação que ele recebeu na pessoa de Jesus Cristo.
A religião verdadeira é manifesta na comunhão do homem com Deus e com seu próximo, no desejo de santificação, na mais alta expressão de louvar ao Senhor Jesus Cristos como expressou-se o apóstolo Pedro “Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo que segundo a sua grande misericórdia nos gerou de novo, para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos”.
Sim, dizemos como o apóstolo Pedro: “Bendito seja Deus que nos salvou na pessoa do seu filho Jesus”.
E então, você vai continuar como está?
 
Pr. José Vasconselos

22 agosto 2013

Lucro Real

“Mas o que para mim era ganho reputei-o perda por Cristo” 
“E na verdade tenho também  por perda todas as coisas, pela excelência  do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas estas coisas, e as considero como esterco, para  que possa ganhar a Cristo”. Fp 3.7,8


Você  já  ouviu alguém  se pronunciar quanto ao seguir o Senhor Jesus  fazenda esta pergunta: “o que ganharei aceitando o evangelho?”
A esta pergunta que algumas vezes se ouve; as sagradas escrituras respondem com uma solução genuína.      
Muitos há neste mundo que desejam ganhar tudo, mas sem se sacrificar. Verificamos que mesmo na vida comercial há balanços todos os anos, onde se registra os ganhos e as perdas.
A vida cristã não é constituída apenas de ganho, há perdas também. Por isto é tempo para examinarmos  o  alvo da nossa existência, fazendo um balanço da nossa vida afim de sabermos e sentirmos como está a nossa vida espiritual.

O sábio Salomão no livro de Eclesiastes 1:3 analisou o complexo problema de tudo o que existe debaixo do sol. Ele perguntou: “Que vantagem tem o homem de seu trabalho?”
Nunca houve um homem que fosse dotado de tantas  beneficência como Salomão. Ele desfrutou de uma riqueza abundante, de sabedoria, tudo que desejava estava ao seu alcance, e mesmo assim, ficou longe da satisfação total. Ele disse: “vaidade de vaidade tudo é vaidade”  (Eclesiastes 12:8)
Certa vez o Senhor Jesus Cristo perguntou aos seus discípulos: “Que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?”.

Você já pensou nisto - de que adianta tanta correria, tanta preocupação, tanto sucesso e no fim perder a alma?
Sempre houve, e hoje mais do que nunca, uma correria desenfreada pelas coisas materiais. O objetivo é ganhar popularidade e as honras do mundo.
A história enumera os grandes e, entre eles, músicos, pintores, escultores, pensadores, escritores que procuram as glórias terrenas.
Todos aspiram a fama do mundo, todos lutaram e viveram para realizar o seu idealismo, e assim, perderam as suas almas. Isso foi uma grande perda sim, pois que aproveita ao homem ganhar fama, riquezas, honras e perder a sua alma?

Agora, vejam o que Cristo disse: “quem perder a sua vida por amor de mim, acha-la-á”.
Em Cristo só há ganho. Ele é o Senhor da vida e veio até nós para nos salvar da morte eterna. Para resgatar a alma perdida em seus delitos e pecados.
O apóstolo Paulo exortava ao jovem Timóteo quanto  a fugir das coisas deste mundo com as seguintes palavras:  “mas tu, ó homem de Deus, foge destas coisas, e segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a paciência, a mansidão, milita a boa milícia da fé, lança mão da vida eterna, para a qual também foste chamado”.  (ITm. 6:11 e 12)

Este ideal espiritual governou a vida inteira do ap. Paulo, o que se entende pelas suas próprias palavras; “O que para mim era ganho, reputei-o perda por Cristo; na verdade tenho também por perda todas as coisas pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus meu Senhor, pela qual sofri a perda de todas estas coisas, e as considero como esterco para que possa ganhar a Cristo” (Fl. 3: 7 e 8)

Feliz é o crente que sempre tem em vista este fim fundamental. O apóstolo Paulo ensinou ao seu jovem cooperador Timóteo que, a piedade com o contentamento é grande ganho”.  (ITm. 6;6)

04 março 2013

Você Conhece o SPFB?

Conheça um Pouco o nosso Seminário

O Seminário Presbiteriano Fundamentalista do Brasil teve início no mês de setembro com 26 alunos matriculados e com o nome de Seminário Teológico do Brasil. O Seminário surgiu como resultado da crise espiritual que determinou o aparecimento da Igreja Presbiteriana Fundamentalista do Brasil.
Funcionou inicialmente na Avenida Caxangá nº 2441 sendo aprovados os seus estatutos no dia 12 de janeiro de 1957. No dia 12 de dezembro de 1968 teve o seu nome mudado para Seminário Presbiteriano Fundamentalista do Brasil. Hoje funciona da Rua Hélio Brandão, 376 - IPSEP - Recife Pernambuco.
 
"E vendo a multidão, teve grande compaixão deles, porque andavam desgarrados e errantes, como ovelhas que não têm pastor. Então disse aos seus discípulos: A seara é realmente grande, mas poucos os ceifeiros. Rogai pois ao Senhor da seara que mande ceifeiros para a Sua seara." (Mt 9. 36-38)
 
Quase dois mil anos já se passaram e a realidade observada, com pesar, pelo Senhor Jesus, e registrada pelo evangelista Mateus na citação acima, permanece a mesma. O Seminário Presbiteriano Fundamentalista do Brasil vem, a 55 anos, dando sua parcela de contribuição a fim de minimizar esta realidade e formar, para honra e glória de Deus, ceifeiros bem preparados para trabalhar na seara divina como pastores, presbíteros, evangelistas, educadores cristãos ou apenas crentes que conhecem e manejam bem a Palavra da Verdade. (2Tm 2.15) .
 
Se você se sente vocacionado para o ministério pastoral, a vocação por excelência, se deseja se preparar para melhor servir a sua Escola dominical, estar melhor preparado para evangelizar ou quer somente se aprofundar na revelação especial de Deus, seu lugar é aqui conosco no SPFB. Ore ao Senhor, converse com o seu pastor e venha estudar no SPFB onde a Escritura tem a primazia como fonte do conhecimento verdadeiro e onde você poderá desenvolver seu conhecimento verdadeiro e bíblico-teológico sob a herança preciosa do cristianismo reformado.
 
Modalidade de Cursos:
 
Presencial: Bacharel em Teologia
Semi-Presencial : Licenciatura e liderança Cristã
 
Se você desejar ter mais Informações: (81)88993032
Email: ipfbcontato@gmail.com
                     
 
 
 

31 janeiro 2013

Os Primeiros Frutus

Amados irmãos - Paz
  Segue algumas fotos do primeiro culto realizado no dia 12/01/13.  Este culto marca o início do trabalho da Igreja Presbiteriana Fundamentalista em Manaus - Amazonas. Alugamos esta casa(fotos) a qual tem servido de local de culto e também p/ nossa moradia. Contamos com suas orações,  e se você sentir o desejo de ofertar, sua contribuição será importante, pois não temos ainda os recursos suficientes para  financiarmos este trabalho. Começamos pela fé e contamos com o apoio dos amados irmãos.
  Aproveito para desejar a todos vocês um ano de 2013 repleto das bençãos de Deus. 

Abraço  Pr. Osmar
Contatos: sanchesosmar@ig.com.br
Fone: (92) 8162 - 1707 (Tim)
(92) 9455 - 4578 (Vivo)
 
 
 
 
 



26 janeiro 2013

O Pai Sofredor


 

Pr. José Vasconcelos

Se Você deseja assitir mais videos da IPF do IPSEP clic no nome  YouTube e conheça
 
o canal IPF do IPSEP.
 
OBS:
Após assistir toda a mensagem nem todos os vídeos que aparecem são de nossa igreja, eles são colocados pelo youtube de forma aleatória. Siga as instruções acima para conchecer todo nosso acervo de vídeos. E se desejar increva-se no nosso canal para receber nossas atualizações.

25 janeiro 2013

O que está acontecendo nas igrejas hoje?

 
 
 
 
 
 
Na opinião  de   muitos,em nossos dias, o culto está enfadonho. Segundo eles é necessário uma mudança. Deve haver empolgação, um entretenimento alternativo. Sermões práticos, curtos, que atendam a vontade dos seus ouvintes. Querem determinar a liturgia do culto, o uso do púlpito, a programação a ser executada, o estilo da música que os satisfaça, um culto excitante. Tem aí o risco do desprezo dos meios ordenados por Deus em favor dos seus gostos, das suas inovações.

O que vemos hoje em muitas igrejas é um desvirtuamento quase generalizado da decência e da ordem do culto. Alardeiam o número dos convertidos, são muitos na estatística apresentada. Eles brotam rapidamente  mas, com a mesma rapidez murcham ao levantar o sol. Vemos assim conversões súbitas, mensagens incoerentes com o  evangelho, mensagens com funções terapêuticas, um bom conselho, um produto de valor, uma boa filosofia. O que importa é o crescimento numérico.

Temos ainda o uso de vários métodos e técnicas para induzir as pessoas à conversão. Para estes, o Espírito Santo  já  não  opera  à  parte por meios ordena dos que ele mesmo estabeleceu em sua liberdade; pregação e sacramentos (Santa Ceia e Batismo).

O Espírito Santo, no procedimento destas pessoas, é manipulado, contratado para fazer a obra pela pessoa. É marcado o dia e o horário para a sua atuação e o evangelista esperto cresce nas suas campanhas de cura e libertação.

Quase sempre encontro um irmão de outra igreja que me pergunta: - “Como vai a igreja?”. Respondo: “Apesar da concorrência continuamos com as portas abertas”. Há um fundo de verdade na minha irônica resposta.

As igrejas fundamentalistas, conservadoras, estão cada vez mais rechaçadas por estes que competem num mercado de oferta e empolgação. Estabelecem meios para que as pessoas tenham uma vida melhor, contam suas próprias histórias, tem seus próprios enredos. Personagens dão o seu testemunho de como o sonho tornou-se realidade, como conseguiram o sucesso.

Quem vai querer ouvir uma mensagem que trata sobre a pecaminosidade do homem, seu estado de miséria espiritual e a necessidade de arrependimento?

A Palavra de Deus nos diz que a fé vem pelo ouvir, vem por meio de se ouvir a Palavra pregada.
O Espírito Santo opera pelos meios que ele mesmo estabeleceu.
 
Tudo é muito simples. Esses emios de graça parecem fracos, (pregação, administração dos sacramentos) mas, foram estes os meios que o Espírito Santo estabeleceu. Porém, muitos associam a obra do Espírito Santo ao barulho, a gritaria, ao palco com os seus músicos e coreografia.

O Apóstolo Paulo nos diz que o ministério apostólico não depende de entusiasmo ou de poderes de persuasão, mas, do evangelho proclamado. II Cor. 2:7 “Temos porém este tesouro em vaso de barro, para que a excelência do poder seja de Deus e não de nós”.
O poder do Espírito Santo está ligado a promessa. Porque a escritura diz:
 
Todo aquele que nEle crê não será confundido.
De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela Palavra de Deus”.
 
 
Pr. José Vasconcelos

21 janeiro 2013

O amor na pespectiva de Cristo





  Lucas 7:11-17

  
A cada dia que passa  a  humanidade   encontra-se   mais  necessitada  da  demonstração do amor. Verifica-se, de um modo geral, o aumento da miséria, da violência, da corrupção, da luxúria, do vandalismo, do desemprego, do desespero etc.

Esses problemas que afligem a humanidade podem ser observados, claramente, aqui no Brasil, pois o nosso país continua   passando  por   momentos  difíceis,  principalmente na área econômica e financeira, que tem gerado uma série de injustiças.

A igreja não pode ficar indiferente a essa triste realidade. É preciso entender que, tanto a evangelização, quanto a ação social, devem caminhar   lado  a  lado,   pois,ambas se constituem em autênticas expressões do amor a Deus e ao próximo.

Se a evangelização e a responsabilidade social são irmãs gêmeas, elas são filhas do amor, pois a evangelização consiste em dizer palavras de amor, e o serviço/ação social significa praticar atos de amor, e ambos deveriam ser o transbordamento natural de uma comunidade de amor.

Depois de curar o servo de um centurião, no dia seguinte Jesus realiza outro milagre notável:
“a ressurreição do filho da viúva de Naim”.

Não é por acaso que Jesus se dirigia àquela cidade e, como era de costume, os seus discípulos e expressiva quantidade de pessoas o acompanhavam.

“O Senhor se compadeceu”. O motivo para ressuscitar o filho único da viúva não foi outro, senão o próprio amor compassivo de Jesus. Ela e o filho receberam a bênção de que careciam.
É fato bastante singular que, de todas as emoções que Jesus experimentou quando esteve neste mundo, nenhuma é mencionada com tanta freqüência como a compaixão.    A Bíblia diz que ele “andou fazendo o bem” (At. 10.38). Mais exemplos de compaixão podem ser encontrados em Mt. 9.36, 15.32, Mc 1.40, 41 e 8.2,3.

Essa atitude de Jesus comprova sensibilidade e comoção diante das reais necessidades humanas. Portanto, Jesus andava por toda parte, proclamando o evangelho e fazendo o bem. Isso quer dizer que, tanto a evangelização quanto a ação social, são expressões da compaixão. Cristo é o modelo perfeito de amor ao próximo, levando a este não só o auxílio material, mas também espiritual.
A igreja, hoje, precisa seguir o modelo de Jesus que socorria os necessitados e, ao mesmo tempo, anunciava as Boas Novas da salvação.

Muitos cristãos estão dispostos a cumprir a ordem de evangelizar, mas não ouvem o chamado a ocupar-se dos  pobres, dos enfermos, dos famintos, dos desesperados etc.  É verdade que existem aqueles que se preocupam mais com a ação social do que com a evangelização.

 A igreja é, ou precisa ser, uma comunidade de amor fraternal e de proclamação do evangelho. Assim, como Jesus desenvolveu um ministério de evangelização e, simultaneamente, de solidariedade diante das carências da  população,  a  igreja carece  de descobrir a importância do amor na prática do evangelismo.

Isso porque ser  igreja de Cristo pressupõe o desempenho de uma missão que atinja o ser humano integralmente. Quando ela consegue desempenhar o seu papel de real compaixão para com o próximo, automaticamente alcançará, com mais êxito, aqueles que se encontram longe de Cristo.
Em João 13. 34,35, aprende-se que, é quando se  ama uns aos outros, como Cristo ama  a  igreja, que  todos saberão  quem são os seus discípulos.

A importância do amor na evangelização não significa uma barganha ou troca, ou mesmo uma tentativa de atrair pessoas para Cristo, porém apenas a prática da compaixão. Não se deve forçar ou exigir das pessoas que são beneficiadas pelos projetos de ação social da igreja, a filiação a ela, pois aderir a uma comunidade evangélica é decisão pessoal, espontânea e no tempo de Deus. 
Concluindo, é importante afirmar que a compaixão e a evangelização são expressões de uma mesma missão, tendo Jesus como modelo fundamental desse ensino das Escrituras.

A igreja, inserida numa sociedade voltada para os seus próprios interesses, é desafiada a pôr em prática a compaixão como algo importante na evangelização, expressando amor ao próximo, sem nenhum obstáculo, ou seja, tentando alcançar todas as pessoas.
               

Texto  -   “Estudos Bíblicos – Didaquê”
 
Pr. José Vasconcelos

31 dezembro 2012

 
 

Feliz Ano Novo



“Coroas o ano da tua bondade...”
Salmo 65:11

 
Davi  agradece  e   louva  a  Deus neste salmo, por sua bondade demonstrada nas muitas bênçãos que lhe dispensou no transcorrer do ano, cujo término está contemplando com gratidão.
Davi dá graças a Deus pelas bênçãos recebidas. E, olhando para o ano que surgia a sua frente disse: “Coroas o ano da tua bondade”
 O ato de coroar nos faz lembrar uma série de coroações antigas. A coroação dos heróis, quer nos jogos atléticos, quer nas batalhas, em grandes feitos de armas, caso em que recebiam para cingir a fronte “a coroa da vitória”, constituída de folhas de louro entrelaçadas, naturais ou metálicas. O apóstolo Paulo falou da coroação.
“E se alguém milita não é coroado se não militar legitimamente” (2Tim. 2:5).  “Desde agora a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia...” (2Tim. 4:8). Assim, vemos que o ato de coroar tão comum nos povos da antiguidade é na Bíblia muitas vezes personificadas  para indicar figuradamente uma realidade espiritual. Paulo fala da “coroa da justiça”, Tiago fala da “coroa da vida” (Tg. 1:12)
O apóstolo Pedro fala da “imperecível coroa da glória” (1Pe. 5:4) e, finalmente, a coroação de Jesus glorificado.  Hebreus 2:9 nos diz: “vemos, porém, coroado de glória e de honra aquele Jesus que fora feito um pouco menor do que os anjos...”.
O Término de cada ano é como um marco na prolongada estrada da vida. Cada ano é um ponto de referência entre o passado e o presente, entre o presente e o futuro.
Pense seriamente sobre a sua vida espiritual nesse novo ano. De onde vim? Onde estou? Para onde vou? E obtenha a resposta as todas essas indagações lendo, e meditando na palavra de Deus.
Reflitamos sobre o que fizemos no ano que passou, ponderemos bem na balança da vida qual a concha que subiu e a que desceu. Quem sabe a concha da negligência, do descaso, da amargura, do ressentimento tenha sido mais pesada neste ano que acaba de findar.
Um ano novo começou; novas oportunidades estarão diante de todos. Oportunidades de colocarmos na concha o desejo de uma vida santificada, de serviço a causa do mestre, de piedade cristã, de desapego  as  coisas  materiais,  para
que, ao fim de 2012, se for da vontade do Senhor chegarmos lá.
Chegarmos com a alegria do dever cumprido, com a consciência pura, iluminada pelo Senhor.
Quem de nós chegará ao término de 2012? Será que daqui a um ano estaremos juntos?
Bem, se estamos no Senhor, estaremos seguros quer vejamos o raiar de 2012 ou não, pois a Palavra nos diz: “...não temos aqui cidade permanente, mas vamos buscando a futura” Heb. 13:14
Oremos ao Senhor como o salmista Davi o fez: “Coroas o ano da tua bondade”. Sim, Senhor, que a tua graça e misericórdia estejam sobre mim e sobre todos os nossos leitores, sobre o teu povo na face da terra. Visita ó Pai aos enfermos, os que estão hospitalizados, àqueles que não poderão estar com os seus, faze-lhes sentir a Tua presença para que a verdadeira alegria se manifeste neles.

Que o Senhor continue nos abençoando em todo o ano 2013!
Feliz Ano Novo para todos com Jesus Cristo na direção!!!
 
 
 
Pr. José Vasconselos
 
 


22 dezembro 2012


 
 
 
Free Stock Photo of Sunrise 3
 

“Hoje, na cidade de Davi, vos nasceu o Salvador, que  é Cristo o Senhor”

 Lucas 2: 11



Recordar  e   comemorar  o nascimento de Jesus , é um ato que está ligado intimamente ao caráter do cristão. Verdade é que todos os dias temos o dever e até a necessidade de, lendo um capítulo só que seja do evangelho, recordamos o nascimento, as obras, as maravilhas, a doutrina, a morte, a ressurreição e ascensão do nosso querido Salvador; e ver em tudo isso o seu amor divino e a sua grande misericórdia.

Diz-nos o evangelista Lucas que, naqueles tempos, ordenou Augusto, imperador romano, que se fizesse o senso ou alistamento, de todos os seus súditos.

A Águia romana queria, no seu orgulho, ufanar-se mostrando ao mundo o poder das suas armas e a vitória por elas alcançadas, sobre tantas nações que então gemiam sob o seu jugo.
Uma delas era a Judeia. Pátria dos santos patriarcas, mãe de tantos inspirados profetas, e que dera o berço a um Samuel, a  um  Davi,   a  um  Salomão, que assombrara os reinos da terra com a magnificência do seu reinado.

Agora, a Judeia tinha de sujeitar-se como conquistada, às ordens do imperador romano e todos os seus súditos se encaminhavam para a capital, Belém, a fim de cumprirem com o decreto real.

Para muitos, especialmente os pobres, velhos e doentes, era esta uma peregrinação penosa. E, entre esses peregrinos, lá iam a Pátria do rei Davi; José o carpinteiro e Maria. A jovem pobre, a virgem de Nazaré.

Maria estava grávida, esperava em breve dar à luz, o fruto concebido em seu ventre por obra e graça do Espírito Santo, conforme lhe anunciara o anjo Gabriel. (Lucas 1:30). A gravidez não lhe permitia fazer a jornada com tanta rapidez como os demais que iam a Belém.

José, esposo dedicado e justo, acompanhava-a, esperando o momento em que se cumprissem as palavras que ouvira da boca de um anjo do Senhor. “não temas receber a Maria por tua mulher, porque o que dela se gerou é obra do Espírito Santo”.

Chegaram em Belém, não encontraram pousada. As hospedarias estavam lotadas de forasteiros. Era noite, uma dessas noites lindas, estreladas e serenas, bem que eles poderiam passá-la ao relento ao ar livre; mas, o estado melindroso de Maria não permitia tal coisa.

Era necessário procurar um abrigo para passar a noite e o único lugar encontrado foi uma manjedoura, pousada humilde, junto dos animais que descansavam ao pé da cocheira.

Ali se abrigaram José e Maria. Alta noite, a virgem mãe deu à luz ao divino filho, e não havendo outro aposento, outro berço, ali mesmo foi recostado o filho de Deus, o Criador Supremo do universo, o Salvador do mundo.

Deitado numa manjedoura, tendo como berço umas poucas palhas e umas pobres roupas, ali derramou suas primeiras lágrimas aquele que veio enxugar as nossas.

Oh! Que misericórdia imensa. Quando te dignastes Senhor baixar e sofrer por amor de nós pecadores. Sim, prezados irmãos, somos indignos de tão grande amor, mas olhemos para o evangelho de Jesus e vejamos o que ele nos diz, “hoje, vos nasceu o Salvador que é Cristo, o Senhor”.
 
Pr. José Vasconcelos

06 dezembro 2012

 
 
 
Você é Uma Pessoa de Palavra?
 
 
 
“Seja, porém, a tua palavra: Sim, sim;  não, não. Porque o que passa disto é de procedên
cia malígna”   Mateus 5: 37

Há uma coisa horrível, mas comum em nossos dias, faltar o homem à Palavra dada.
Parece que era costume dos antigos também, pois já nos tempos de Moisés, necessário foi por entre as leis a seguinte: “Quando um homem fizer voto ao Senhor, ou fizer juramento, ligando a sua alma com obrigação não violará a sua palavra: segundo tudo o que saiu de sua boca, fará”.
Por aí vemos que devia haver quem não somente prometia, mas jurava fazer o prometido e não cumpria mesmo quando o compromisso tomado era com Deus. E por isso foi necessária a lei, pois que geralmente, surge uma regulamentação onde se quer reprimir algum abuso.
Primeiro se faltou com a palavra dada, depois  se  julgou  que, hávendo juramento, a palavra dada tornaria sagrada, irrevogável, segura.
E a promessa vinha, pois, seguida de juramento.
Este era feito empenhando-se o nome de alguma pessoa ou alguma coisa considerada sagrada.  Havia os que juravam sobre o nome de Deus, ou pelo céu ou pelo Templo em Jerusalém (que era considerada a morada de Deus entre os judeus) ou pela honra e assim por diante, conforme o gosto da pessoa que fazia o juramento.
Mas isso tornou-se hábito comum. Por qualquer coisa a pessoa dizia: “juro pelo nome do Senhor” ou “juro por Jerusalém” e em seguida se esquecia das palavras de compromisso proferidas e fazia o contrário do que havia dito.
Hoje se nota o mesmo mau hábito. Quando queremos que alguém acredite em nossa palavra dizemos: pode confiar em mim, sou um homem de palavra, Deus me livre de enganar os outros, no entanto o que temos visto? Juramentos sendo quebrados, juramentos que foram feitos em forma de promessas.
O noivo diante do altar promete à noiva que será fiel a ela até a morte. A noiva também faz as mesmas promessas. Essas promessas tem sido cumpridas? Sabemos que num grande número de casos, não.
Pastores, presbíteros, diáconos, quando ordenados, prometem diante do Senhor e da igreja serem fieis no exercício do ofício para qual foram eleitos. O que vemos? Muitos destes quebrando os seus votos.
Crentes que ao serem batizados, prometem publicamente observar as diretrizes da igreja, inclusive a de não deixa-la enquanto ela (a igreja) for fiel as Escrituras; mas o que vemos? Crentes que por quase nada, por coisas mínimas, desgostam-se da sua igreja, vão embora e saem falando mal da entidade que ele deveria amar, cooperar e defender. O que é isso? É índice de decadência moral. Prova de que  o  homem não sabe cumprir
com suas promessas, perdeu a noção de responsabilidade, o preço pela honradez em seus compromissos.
Antigamente a palavra de um homem valia muito, hoje, com uma série de documentos assinados, testemunhas, reconhecimento de firmas e tantas outras coisas mais, nada mais são do que farrapos de papel. E no entanto, foram documentos assinados com empenho da honra, mas quem acredita em tratados?  Em respeito a palavra dada? Em penhores?
A desconfiança permeia a humanidade;  é trágica a situação em nossos dias no que diz respeito a isto.
Não podemos crer na palavra do comerciante, não podemos crer na palavra do político, não podemos crer na palavra do advogado, não podemos crer na palavra de muitos pastores.  Desconfiamos de tudo e de todos, com juramento ou sem juramento, com firma reconhecida ou sem firma.
Precisamos dar um basta nisso. Cristo disse: “Seja o vosso falar sim sim, não não”. Você é um crente no Senhor Jesus? Pois fale a verdade. As mentiras prejudicam a você e a igreja, da qual você é membro.
Você é comerciante, pedreiro, taxista seja lá profissão que exerça, seja honesto. Dê testemunho de crente, você foi chamado para ser luz. Mentira, desonestidade, palavras torpes são obras das trevas, não condiz com o crente.
Há necessidade urgente duma grande reforma moral, do aprofundamento da consciência da responsabilidade perante Deus e os homens.
Você  é  um crente no Senhor Jesus Cristo? Então é para você que Cristo disse: “Seja o vosso falar sim sim, não não”.
A vida do homem deve valer de fiança para a sua palavra.
Aquele que verdadeiramente preza a sua pessoa, o seu renome, a sua honra, não precisa jurar, nem por isso nem por aquilo, porque o que a sua boca disser, aquilo mesmo é o que é.
 
Pr. José Vasconcelos
 
 


27 novembro 2012

    
 
 
 
A Mulher Moderna

     Para  as  feministas, mulher  moderna é aquela que convive com os homens, mas não depende deles, ou pelo menos, luta para romper essa relação de dependência. A mulher cristã tem de suportar as asneiras ditas pela mídia sobre o seu papel, sua importância e seu lugar na sociedade. A mulher cristã tem que estar alerta, vigilante para que a antiga serpente não faça com ela o que fez com Eva no passado, deixando-a confusa.
     A Bíblia tem a palavra final sobre o comportamento humano. Deus não quer zombar de nós com as coisas que inclui na Sua palavra. Ele não pretende fazer com que o seu povo sofra sob uma expectativa irreal que jamais poderá concretizar.
     Hoje a mulher é incentivada a ser independente de tudo e de todos. Ela recebe todo tipo de mensagens, todo o tipo de supostas provas de que a independência é o único meio de ser feliz e, fazer o que quer, e tornar-se o que lhe agrada, irá proporcionar-lhe paz e alegria. Muitas mulheres crentes ficam  confusas,  indecisas entre o continuar nos padrões conservadores que lhes foram passados através das gerações, ou se rompe com tudo isso para poder voar livremente. Muitas mulheres ficam imaginando qual será o comportamento certo para elas.
     A imagem de uma dona de casa ficou associada a uma condição de vida inferior. A historiadora antropóloga Norma Teles, da Universidade Católica de São Paulo, está muito preocupada com as mulheres que preferem cuidar da casa, do marido, dos filhos e delas próprias, a  trabalhar; – “dedicar-se à casa pode ser o retorno de um modelo que já se tornou falido” disse ela.  Por causa desta filosofia de vida tão aceita e defendida atualmente, temos como consequência uma família falida, uma nação falida e o pior uma igreja em crise prestes a falência.
     Mulheres! Busquem a Palavra, orientem-se por ela. Saibam como ser mulheres de Deus neste mundo. Estejam vigilantes porque são muitos os que estão prontos para dar as mulheres uma orientação falsa.
     Há muitas classes de mulheres. Mulheres bonitas, mulheres sábias, mulheres que vencem em suas carreiras, mulheres talentosas, mulheres solteiras, mulheres casadas, mulheres viúvas  e  divorciadas.
Com certeza todas as mulheres da nossa igreja estão incluídas numa ou mais classes qui referidas. Mas o desafio à mulher de hoje é o eterno desafio para que elas sejam mulheres piedosas.
Esta palavra soa estranhamente aos nossos ouvidos, dificilmente a ouvimos hoje. Refletia sobre as mulheres que compõe a nossa igreja. Na minha reflexão fiz algumas perguntas e à semelhança do sábio Salomão que dizia nos seus provérbios: “Há três coisas que me maravilham, e a quarta não conheço” (Pv. 30:18) – Pude responder a algumas delas tendo dificuldade com relação a última.
     Quantas são as mulheres da nossa igreja? Quantas são as talentosas? Quantas são as trabalhadoras? Quantas são as piedosas?
     É coisa muito mais nobre ser uma boa esposa que ser miss universo. É uma realização muito maior formar cristão, a escrever uma novela cheia de imundícia.  É coisa muito mais importante no reino moral ser antiquada a ser ultramoderna.
     O mundo tem mulheres demais que são populares, ele precisa de mais mulheres que sejam puras. O mundo tem mulheres demais que sabem ser espertas, mas ele está precisando de mulheres piedosas.
     Não nos enganemos, sem Cristo no coração podemos ser fisicamente perfeitos, intelectualmente brilhantes, mas espiritualmente mortos.
     Mulher presbiteriana, o maior desafio para você hoje é ser uma mulher piedosa, porque bonita você já é.

Pr. José Vasconcelos

20 novembro 2012




As Marcas de um Verdadeiro Profeta

"Eis que um homem de Deus veio de Judá a Betel com a palavra do SENHOR..." 1 Reis 13


Um  profeta é um  homem que ouviu a voz do Senhor e sabe transmitir a outros o que Deus quer da sua vida. O que Deus quer que seja dito.
Há alguns chamados profetas, que só sabem dizer o que Deus lhes disse sem se importarem se a sua própria vida está em conformidade com a vontade de Deus ou não.
Um verdadeiro profeta ouve a voz do Senhor e logo amolda a sua vida com o modelo de Deus. Isto nos faz servos de Deus e não meros instrumentos.
Balaão sempre falou o que era da vontade de Deus, mas, todo tempo estava a desejar seguir sempre o seu próprio caminho.
Você pode dizer: “mas, todos os   crentes   ouvem  a  voz  do Senhor pela Bíblia” e certamente todos os crentes lêem a Bíblia. É possível ler a Bíblia e não ter coisa nenhuma da revelação do Senhor.
Como pode ser isso? Quando você lê a Palavra com os olhos críticos, duvidando da sua veracidade, quando você a lê para obter informações e nada mais; você não está  desse modo se apropriando da revelação de Deus.
No cap. 13 do 1Reis, temos um profeta a quem Deus falou e sobre quem a autoridade de Deus repousava quando ele transmitia a vontade divina.
Ele podia dizer: “Assim diz o Senhor” e não; “É provável que o Senhor queira dizer isto”.
Aqui não havia incerteza nem hesitação; a Palavra de Deus ecoava e ardia num coração tocado pelo Espírito Santo e teria onde quer que se ouvisse.
Assim, descobrimos na Palavra de Deus qual deve ser a atitude de um verdadeiro profeta do Senhor.
Ele não pode macular a Palavra de Deus. Ele não pode fingi-la com as ideias humanas ou adulterá-la. Mas é o que temos visto. Homens arrogando para si o título de profeta e mutilando a Palavra, dizendo o que a Bíblia nunca disse.
O Cap. 13 de 1Reis  já mencionado, começa assim: “E eis que um homem de Deus veio de Judá com a Palavra do Senhor a Betel e clamou contra o altar com a Palavra do Senhor”.
A esse homem, cujo nome não sabemos, o Senhor não só ordenou que profetizasse contra o altar construído pelo o iníquo Jeroboão rei de Israel, mas também lhe disse: “não comerás pão nem beberás água, nem tornarás a voltar pelo caminho que fostes”.
O que vemos aqui? Vemos que aquele homem de Deus não somente tinha ouvido a voz do Senhor, mas tinha o seu caminho traçado por Deus. “não voltarás pelo caminho por onde fostes”.
Importava diante de Deus o caminho do seu servo. Foi Deus que teve o cuidado de o traçar na sua sabedoria e amor. Não quis que houvesse dúvida ou erro na missão de que tinha encarregado o profeta. O profeta não escolheu o caminho para levar a mensagem, o caminho foi escolhido por Deus.
Uma pergunta fica no ar; se você é um crente no Senhor Jesus Cristo evidentemente você é um profeta, pois, foi chamado para anunciar as Boas Novas de Salvação, para mostrar aos homens o futuro que lhes espera.
A pergunta é: Por onde andas? Por qualquer caminho? Por caminho que os homens te traçaram? Por caminhos mundanos? Esses pés, que são portadores de salvação e libertação, estão presos por algum laço ou algum lugar?
Se Deus te entregou uma mensagem, também Ele te traçou um caminho. Um caminho direito, como sabia João Batista. Um caminho de santidade, como Isaías bem conhecia.
Meditemos na Palavra do Senhor registrada em Oséias 14:9 “Os caminhos do Senhor são retos, e os justos andarão neles...” Andemos, pois, nos caminhos que o Senhor tem traçado para nós.

Pr José Vasconcelos